Este blog destina-se à troca de informações entre profissionais para consolidar a formação da Associação Brasileira de Integração Sensorial. Participe enviando sugestões de cursos, livros, vídeos e textos sobre Integração Sensorial para o e-mail de arielagoldstein@gmail.com

6 de ago de 2013

MEDIDA DE FIDELIDADE PARA PESQUISAS DE INTERVENÇÃO EM INTEGRAÇÃO SENSORIAL DE AYRES (ASI®)

Com o aumento da investigação científica dentro e fora do campo da Terapia Ocupacional, houve um aumento significativo na quantidade de informações conflitantes e confusas. Estas confusões relacionam-se principalmente com a classificação diagnóstica e com a definição da abordagem de intervenção de ASI®, fazendo com que o profissional capacitado para utilizar essa abordagem e os resultados esperados também fossem amplamente discutidos (SCHAFF; DAVIES, 2010).
Após várias décadas de investigações científicas e uso da intervenção de integração Sensorial (IS), há um aumento na variabilidade das formas de implementação da terapia, fazendo com que sejam utilizados princípios diferentes dos propostos originalmente por Ayres. Dessa forma, as investigações científicas relacionadas à eficácia da intervenção utilizando o quadro de referência (QR) de IS apresentam controvérsias, devido a problemas de fidelidade que reduzem a qualidade da assistência e dos estudos (PARHAM et al, 2007). Diante disso, um grupo de pesquisadores percebeu a necessidade de desenvolver uma medida de fidelidade validada e confiável para pesquisas sobre a intervenção em ASI®, a fim de proporcionar que as intervenções e investigações sejam pautadas nos princípios da teoria clássica de Ayres, melhorando a qualidade e o valor das futuras investigações sobre a eficácia da intervenção de ASI® (PARHAM et al,. 2011).
De acordo com Parham et al. (2011), a medida de fidelidade desenvolvida, tem como objetivo identificar se a intervenção utilizada é efetuada em conformidade com os princípios processuais e estruturais da abordagem clássica; acompanhar a prestação de serviços replicáveis da intervenção da ASI® na pesquisa; e diferenciar a intervenção de ASI® de outros tipos de intervenção (estimulação sensorial, por exemplo).
Para tanto, a intervenção clássica de ASI® compreende processos estruturais e processos terapêuticos, sendo estes presentes na medida de fidelidade (ROLEY; JACOBS, 2010). Fidelidade é um aspecto crítico para a eficácia da pesquisa, pois assegura que a intervenção do estudo possa ser replicada por outros pesquisadores, assim como permite diferenciar a intervenção de ASI® de outros tipos de intervenção (PARHAM et al, 2007). Além disso, DePoy e Gitlin (2005 citados por Parham et al., 2011, p.133, tradução nossa) relatam que o “instrumento de fidelidade não apenas permite que o pesquisador verifique se as estratégias terapêuticas utilizadas no estudo representam definitivamente a intervenção, mas também torna o estudo replicável”.
Partindo desse princípio, percebe-se a necessidade do seguimento correto dos processos estruturais e terapêuticos da ASI®, de modo que outros profissionais e pesquisadores possam ser treinados de maneira consistente e reprodutível para pesquisa e prática em IS (LUBORSKY; DURUBEIS, 1984; citados por PARHAM et al.,2007).
A utilização da Medida de Fidelidade para pesquisas de intervenção em ASI® permite uma melhor compreensão de quais são os aspectos fundamentais para uma intervenção se caracterizar como intervenção de ASI® (PARHAM; MAILLOUX, 2010). Além disso, essa medida proporcionará investigações científicas pautadas nos princípios de ASI®, fazendo com que as evidências tornem-se mais claras e difundidas, bem como contribuirá para melhoria da intervenção e comunicação sobre a intervenção de ASI®. Espera-se que a utilização dessa medida de fidelidade possibilite aumento da eficácia das pesquisas de intervenção de ASI®, pois assim, os pesquisadores e profissionais poderão realizar as intervenções baseadas em evidências claras, confiáveis, fiéis e válidas.
O Workshop proporcionará benefícios para as pessoas interessadas na pesquisa e na prática da IS, pois se todos os profissionais se baseassem na Medida de Fidelidade, teríamos menos problemas metodológicos nas pesquisas, menor disparidades em relação à utilização das intervenções e teríamos maior monitoramento, o que garantiria fidelidade e confiabilidade.

REFERENCIAS:
PARHAM, L. D.; COHN, E. S.; SPITZER, S.; KOOMAR, J.; MILLER, L. J.; BURKE, J. P. Fidelity in sensory integration intervention research. American Journal of Occupational Therapy, v.61, p.216-227, 2007.
PARHAM, L. D.; MAILLOUX, Z. Sensory Integration. In: CASE-SMITH, J.; O’BRIEN, J. C. Occupational Therapy for Children. Missouri: Mosby Elsevier, p. 325-372, 2010
PARHAM, L. D.; ROLEY, S. S.; MAY-BENSON, T. A.; KOOMAR, J.; BRETT-GREEN, B.; BURKE, J. P.; COHN, E. S.; MAILLOUX, Z.; MILLER, L. J.; SCHAFF, R. C. Development of a Fidelity Measure for Research on the Effectiveness of the Ayres Sensory Integration ® Intervention. American Journal of Occupational Therapy, v. 65, p.133-142, 2011.
ROLEY, S. S.; JACOBS, S. E. Integração Sensorial. In: CREPEAU, E. B.; COHN, E. S.; SCHEEL, B. A. B. Willard & Spackam Terapia Ocupacional. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.  p. 805-829.
SCHAAF, R. C.; DAVIES, P. L. Evolution of the sensory integration frame of reference. American Journal of Occupational Therapy, v.64, n.3, p.363 – 367, 2010.


MATERIAL ELABORADO PELA TERAPEUTA OCUPACIONAL DANIELLI REGINA BERNERT

Nenhum comentário:

Postar um comentário